As principais tendências do marketing Digital, SEO, conteúdo e Digital PR

Não perca nenhuma novidade!

Explore as Categorias

Posts Relacionados

O mundo do marketing digital está em revolução! E você pode aumentar sua receita com isso

Tendências em marketing digital? Nesse post, tá tendo!

O que falar de 2024? Não posso dizer nada, mas adoro pakas! Finalmente é um ano disruptivo para o SEO e todo o marketing digital. Vamos entrar no mundo de uma tendência que vai dar o que falar? 

Antes de mais nada um ponto importante: A gente ainda não tem o conhecimento completo sobre o potencial do que a Inteligência Artificial pode trazer para o mundo. Mas, podemos dizer que ela vai trazer uma revolução para a maneira como vamos nos comunicar.  

Uma das evoluções mais importantes do Google foi a palavra “Helpful”. Tá, mas isso significa o que de maneira efetiva? 

ÚTIL! 

Sabemos que os funcionários do Google antes eram mais reservados quanto às publicações de suas atualizações de Algoritmo. Hoje, isso mudou. Este ano as atualizações foram explícitas e de junho para dezembro de 2023, o negócio parece que degringolou. Tinha atualização quase todos os dias. 

Mas, diante de todo esse processo de atualização, o que o Google leva em conta na hora de rankear um site? 

Se o seu site tiver qualquer conteúdo inutil e que realmente não ajuda o usuário, haverá menos chances de conquistar um bom desempenho.

Ou seja, se houver outro conteúdo com o mesmo tema em um site que ajude mais ao usuário, este tem mais chance de ter uma performance mais positiva.

Além disso, o Google também diz: 

“Remover conteúdo que não é útil pode ajudar o seu site!” 

O que é um conteúdo útil? 

​​O Google tem enfrentado dificuldades para encontrar uma maneira de comunicar um significado preciso do que é ou não um conteúdo útil. 

Contudo, o buscador tem respondido a perguntas sobre o sistema de conteúdo útil, e mais orientações podem estar a caminho. 

Enquanto isso, lembre-se de que “útil” depende de muitas circunstâncias diferentes. Por isso, para te ajudar, lembre-se sempre de que a intenção de busca do usuário é crucial neste processo.  

Além disso, o que caracteriza um conteúdo no escopo de “útil” vai além do impacto imediato e da qualidade das palavras em uma página.

Avaliar o valor que seu site oferece como um todo e como você aborda autoritariamente tópicos amplos pode ser necessário para ter sucesso à medida que a importância deste conteúdo vai se expandir ainda mais. 

Resumindo, temos: 

  • O Google avalia o valor e a utilidade de todo o seu site, então certifique-se de que seu site tenha um valor agregado claro e único;
  • A Inteligência Artificial chegou para te ajudar e não prejudicar;
  • “Expertise” (expertise) será um fator-chave. Mostre seu nome. Apareça. Apresente o seu conhecimento. 

A atualização de conteúdo útil vai além daquilo que imaginamos.

O mais importante, é garantir que todo o seu site seja útil para o usuário. Pense nisso. Não apenas uma página. O site inteiro. 

Isso é algo que vem acontecendo de forma errada. Pense no site como um todo, não apenas uma página. 

Como o Google avalia o seu conteúdo? 

Ao contrário de sistemas e algoritmos lá dos primórdios, o Helpful content analisa seu site como um todo. 

Lembre-se! Você pode ter uma página com um conteúdo super legal. Mas, se todo o resto do seu site não for, no mínimo navegável (principalmente no mobile), nada vai mudar. 

Outra pergunta importante: seu site tem muitas páginas antigas com experiência ruim e conteúdo escasso? Imagens grandes, listas de compras irrelevantes e links quebrados?

Em vez de interpretar a palavra “conteúdo” literalmente, pense em tornar todo o seu site útil. Isso deve beneficiar todos os canais de comunicação, não apenas o SEO.

Acredito que o foco do Google em “conteúdo útil” começará a se estender mais e afetar sites com versões alternativas. Ou seja, sabe aquele site que tem em diversos idiomas? Esse é um tipo de site alternativo, tá?

Como o Google vai avaliar sites em outros idiomas

Sites internacionais com a mesma proposta de valor em várias versões alternativas (por exemplo, em inglês para os EUA, Canadá e Reino Unido, mas apenas mudando a moeda e as diferenças ortográficas regionais) verão as tags hreflang e canônicas ignoradas.

O que isso quer dizer? Que não adianta só traduzir o site. Temos que criar um site que atenda a necessidade de busca daquele usuário. E como a pessoa procura no Brasil, pode ser diferente de como um americano realiza sua busca.

Muitas estruturas de sites internacionais foram criadas apenas para mostrar conteúdo ou “canalizar leads” para as equipes de vendas corretas.

Forneça propostas de valor diferente para cada idioma e dê ao Google motivo para investir recursos nas versões alternativas do seu site. 

Melhore o valor agregado oferecido por cada uma das propostas e propósito do site. Discuta com sua equipe como estruturar as versões internacionais e como o tratamento de leads vai ser feito para cada idioma.

Quanto mais próximo do público-alvo do país, mais chances de ter resultados positivos.

E o que o SEO tem a ver com tratamento de leads?

Muitas vezes, precisamos prestar mais atenção ao impacto das tendências de conteúdo mais amplas no SEO. 

A gente acha que fazer SEO é pensar apenas no Algoritmo. Estamos bem errados. É preciso entender o que tem por trás de cada comportamento dos bots. 

Afinal, não foi por acaso que o Google adicionou um “E” extra para experiência ao E-A-T. 

Não foi magia. O buscador foi treinado para observar as tendências mais amplas de consumo de conteúdo. As pessoas buscam pessoas reais para conteúdo em vez de marcas estáticas e engessadas.

Aí, tu diz: “Ah, como o Google vai fazer isso?” Elementar! Com a ajuda do Rank Brain (modelod e aprendizado de máquina com foco no comportamento humano), o Google consegue ensinar suas máquinas a observarem tendências de consumo e conteúdo. Quando aprendem, passam a agir conforme o aprendizado.

Conteúdo, jornalismo e sinceridade!

Imagine que você está procurando um conteúdo no Google. Vamos lá: “como dormir a noite inteira”. 

Aí, você acha uma série de conteúdos em portais e todos eles dão dicas infalíveis (nunca use essa palavra que ela é irreal. As coisas sempre podem falhar) sobre como dormir a noite inteira. Você decide então, preparar um chá de camomila e esperar o sono chegar. Mas, ele não vem. 

O que fazer? 

É por isso que, além de dar a informação completa, é importante prever que nosso conselho pode não dar certo e já apresentar esse ponto no que estamos ofertando. 

É como se a gente oferecesse ao leitor os próximos passos e as respostas, caso o conselho não funcione. 

Isso é “excepcional” – se o X não funcionar, talvez você queira tentar o Y.

Esse tipo de escrita, informativa e responsável,  cria uma forma cativante de conteúdo. Ela ajuda o leitor por quê:

  • Aborda diretamente o leitor e suas necessidades.
  • É mais conversacional do que o conteúdo padrão (uma tendência emergente por si).
  • Para prever vários resultados e situações, você realmente precisa saber do que está falando.

Esse último ponto aborda diretamente o E-E-A-T. Você só pode prever e abordar situações secundárias com expertise e experiência.

E aí, a gente fala sobre outra sigla do Google que é importante: YMYL.

Meu Deus, o que é isso? YMYL (Your Money, Your Life) é um conjunto de exigências que o Google faz para que o seu conteúdo seja verossímil e ajude diretamente o usuário. Em português, a sigla quer dizer: “Seu dinheiro, sua vida”. Ou seja, conteúdos que podem mudar a vida de uma pessoa, prejudicar um comportamento ou prejudicar uma escolha, tendem a ser desqualificados.

Ainda pegando o exemplo das dicas para dormir. Vamos supor que o chá de Camomila não fez efeito e você não deu outra opção. Lembre-se, o ser humano é único e o que funciona para um, pode não funcionar para outro.

Tá, o chã não rolou. Aí a pessoa volta no seu conteúdo e tem outra dica: Tome um banho quente e desligue o celular antes de deitar.

Ok. Mas, e se ainda assim não funcionar? É preciso encontrar alternativas. Falta de sono pode ser ansiedade, estresse, hormônios em desalinho. Ou seja… tem que saber o que indicar.

Vamos de outro exemplo?

Imagina que uma tempestade se aproxima. Aí a pessoa procura no Google para saber o que ela pode fazer. E aí, você simplesmente diz: “corra em direção ao foco da tempestade e espere passar!”

Além de não ajudar o usuário você pode prejudicar a vida dele. Acha mesmo que o Google vai rankear esse conteúdo?

Todo o conteúdo gerado por meio da IA deve ser verificado para mitigar os riscos de desinformação e vieses da IA, o que também faz parte das diretrizes dos motores de busca em relação ao conteúdo gerado por IA.

É por isso que, ao focar em E-E-A-T, introduzindo filtros de “perspectivas”, alterando classificações para priorizar conteúdo que demonstra conhecimento de primeira mão e notas do usuário na busca, o Google está tentando equilibrar os avanços da IA com a experiência da vida real e o toque humano.

Máquinas não podem replicar as perspicácias pessoais e sentimentos obtidos de experiências da vida real, como avaliações de produtos. 

Mas também devemos admitir que os chatbots de IA estão remodelando como os usuários interagem com a web e consomem conteúdo. 

Editores e profissionais de SEO devem inovar para se manterem competitivos. Uma vantagem que os sites ainda têm sobre os grandes chatbots de modelos de linguagem é que os usuários ainda precisam se esforçar mais para obter resultados de alta qualidade. 

Eles têm que pensar em uma prompt decente e verificar a resposta, o que aumenta o tempo (ou seja, “custo”) de obtenção de informações.

Dado esse fato, pensar em como superar os chatbots é essencial ao criar conteúdo e otimizar a UI/UX. 

Conteúdo fácil de consumir, com um toque humano e que conquista a confiança dos usuários, será vitorioso. Esses são apenas alguns exemplos de conteúdo que alcança esses objetivos:

  • Fornecer opiniões de especialistas e conteúdo bem pesquisado.
  • Reduzir a necessidade do usuário verificar informações cruzadas.
  • Integrar elementos multimídia, visualizações de dados, módulos interativos, questionários e exercícios de resolução de problemas em tempo real.
  • Incorporar elementos humanos em uma estratégia de conteúdo onde os chatbots de IA podem falhar, como sessões de perguntas e respostas ao vivo ou webinars onde especialistas respondem às perguntas dos usuários em tempo real.

Valide, estude, aprove, analise… sempre. Contra dados não há argumentos!

USE a IA, mas NÃO abuse dela

Acima de tudo, o conteúdo informativo e responsável indica ao usuário que uma pessoa real o escreveu, e não um grande modelo de linguagem (LLM).

É o tipo de conteúdo que simplesmente não pode ser criado por IA por várias razões. 

Não menos importante é a capacidade de oferecer conselhos detalhados, mantendo o tom de voz que o conteúdo é baseado. Principalmente em situações que sugerem teor conversacional, autoritário e especializado.

Não minta, não invente experiência. Adicione valor genuíno.

A barra para a criação de conteúdo será ainda mais alta.

Por anos, apenas reescrever conteúdo provavelmente era suficiente para classificar uma página. Muitos profissionais de SEO e redatores faziam exatamente isso. Mas, com a IA tornando mais fácil do que nunca criar conteúdo, você terá que fazer mais do que vinha fazendo.

Encontre maneiras de adicionar valor agregado.

Pense no seu conteúdo da mesma forma que faria com um produto na publicidade. Ia ter que  adotar uma abordagem iterativa, certo? Ia precisar de criatividade para ganhar destaque né? E não só criatividade. Marcas hoje vendem porque são sinceras. Porque reconhecem erros. Porque buscam melhorar, sempre. Como um ser humano em constante evolução.   

Neste universo, pense em adicionar uma seção específica, expandir uma seção com mais detalhes, adicionar um ponto-chave, resumir algo melhor, contar uma história pessoal ou adicionar insights adicionais do meu próprio conhecimento. 

Para uma página de comparação de produtos, você poderia adicionar preços, avaliações, prós e contras, experiências pessoais, fotos exclusivas ou análises por diferentes categorias.

A sua experiência e Expertise são a cereja do bolo

Sua capacidade de adicionar conhecimentos a um tema se tornará mais importante à medida que se torna mais fácil criar conteúdo genérico. 

Ah, mas eu não sei de tudo! Nem eu!

Se você não tem o conhecimento para criar, encontre e entreviste alguém que tenha. Peça a eles para revisar o conteúdo e verificar erros ou adicionar seus insights e histórias.

Posso contar uma história?

Eu estava em Amsterdam (Holanda). E lá a prostituição é algo Legal. Ou seja, as mulheres holandesas, não passam pela violência das brasileiras. Apesar de venderem seu corpo, são mais discretas e têm mais segurança para trabalhar.

Quando eu digo discreta, não me refiro a roupas, ok? Me refiro ao fato de elas não precisarem ficar em esquinas.

E elas têm um lugar específico para ficar. Chama-se Red Light. Nesta rua, elas ficam em vitrines e quando são escolhidas, os homens entram no quarto e recebem pelo que pagaram.

A questão é: se uma delas se sentir ameaçada, basta apertar um botão e a polícia chega na hora. É mesmo uma proteção. Fora que lá, elas. não cobram por hora e sim por serviço. Por exemplo, massagem no pé, 100 euros, masssagem no corpo, 350… o ato sexual em si, chega a custar mil euros, por apenas meia hora.

Eu aprendi tudo isso, porque sou curiosa. Para mim, não basta estar lá conhecendo aquele universo. Eu tinha que participar dele. Eu tinha que conhecer ele. E foi o que fiz. Paguei 100 Euros para conversar com uma das garotas.

Agora, estou totalmente apta a escrever um artigo sobre a comparação entre o trabalho de prostitutas entre o Brasil e a Holanda e porque lá elas correm menos risco de morte ou violência.

Isso é experiência. Certeza que meu texto vai ser bem melhor que uma IA sobre esse tema.

A SGE chega pra te assustar? 

As áreas para ficar de olho no início de 2024 são a IA generativa e a Experiência Generativa de Pesquisa (SGE). 

Em vez de focar no que a SGE pode tirar (cliques), precisamos nos concentrar no que o Google está tentando alcançar e lembrar que eles precisam de conteúdo e cliques.

Com os experimentos do Google em resultados da SERP, o painel do SGE será nada mais, nada menos que um Snippet em destaque. É tipo os Power Ranges. Eles se transforma, mas ainda continuam sendo o Jason e a Kimberly.

E, assim como os snippets em destaque, podemos nos adaptar e trabalhar com a forma como as informações serão exibidas no SERP, com resultados de SGE. 

Sobrevivemos aos snippets em destaque e podemos evoluir para trabalhar com a IA generativa e não contra ela.

Em primeiro lugar, entenda que a SGE não é um painel de informações totalmente gerado por IA. 

A SGE coleta os melhores resultados no SERP e depois usa a IA para criar um resumo combinado desses resultados.

Para SEO, é mais importante do que nunca estar entre os principais resultados para ser incluído na SGE. 

Isso também significa ser a fonte de dados e informações e fornecer conceitos e conteúdos únicos e valiosos. Este é o desafio em um mundo pós-IA generativa.

O Google ainda está experimentando como a SGE se integrará à SERP. A função e a aparência da SGE provavelmente continuarão mudando à medida que o Google encontra o equilíbrio certo entre intenção e cliques. É importante lembrar que o Google não quer destruir seu próprio modelo de negócios!

As pistas já estão lá. Considere a atualização de conteúdo útil. O Google está se movendo em direção a conteúdo que demonstre experiência em primeira mão – um autor deve mostrar conhecimento amplo, expertise e autoridade. 

Temos aqui um exemplo exímio das exigências do E.E.A.T nos últimos anos. Quem duvida disso? O Google não dá ponto sem nó. 

A demanda por líderes de pensamento e especialistas qualificados está aumentando – sua capacidade de demonstrar pesquisa aprofundada e fornecer dados e informações exclusivos é essencial para um bom conteúdo.

Como as ferramentas de I.A  podem impactar na produção do conteúdo?

Obter o melhor das ferramentas como o ChatGPT e o Bard requer conhecimento além do esperado.

 Por padrão, a Generative IA não tem paciência para quem está começando. É quase uma Suzana Vieira dos robôs. Para obter os melhores resultados de uma ferramenta de IA, treine-a para ser autoconsciente de seus erros e lacunas de conhecimento. 

Use um ciclo de feedback, ela precisa. A IA precisa saber no que errou e onde acertou. 

A IA é uma assistente fantástica. Use-a para aumentar sua produtividade diária. As possibilidades criativas do ChatGPT são exponenciais, e ainda estamos longe de explorar totalmente esse potencial.

Por exemplo, criar infográficos, organizar dados em tabelas, resumir pensamentos, criar transcrições, encontrar inconsistências em relatórios, analisar vastos conjuntos de dados, e assim por diante.

A IA complementa perfeitamente seu conhecimento e criatividade, então trate-a como tal.

 Não caia na armadilha de pensar que a IA pode desempenhar o papel de SEO para você. 

Expertise e experiência ainda são necessárias para operar a máquina e obter os melhores resultados.

A habilidade essencial a desenvolver em SEO é integrar a IA em todas as camadas do seu fluxo de trabalho para máxima eficiência. 

O desenvolvimento da IA não é diferente dos primeiros dias dos computadores na indústria. Inicialmente, as pessoas tentaram usá-la como uma máquina de escrever. Depoism descobriram que o computador tinha muito mais funções. A era das planilhas ganhou destaque.

A IA segue o mesmo processo de desenvolvimento, então continue desafiando os limites.

Não esqueça que a IA não pode substituir ideias e criatividade. Como humanos, conduzir a máquina é onde ainda podemos adicionar valor.

Em 2024, destacar-se do conteúdo gerado por IA significa criar conteúdo que as pessoas valorizam, compartilham e agem a partir dele.

Intenção de Busca: Use a IA como aliada

Pense nos subtítulos dos seus textos como mini artigos que podem se sustentar por si. É como um texto exclusivo, mas que faz parte de um todo, entende?  Antes de escrever uma linha de texto, responda a essas perguntas:

  • Qual é a intenção deste subtítulo?
  • O que o usuário já sabe e quais perguntas de acompanhamento eles terão? Que exemplos posso incluir para ajudá-los a visualizar a solução?
  • Existem estudos de caso ou estatísticas que validam a abordagem?

Em seguida, inclua uma lista de perguntas que quer responder sob o subtítulo, com base nas perguntas acima.

Isso garante que você não divague e foque em resolver um problema específico que o usuário enfrenta. Também vai te ajudar a destacar em relação ao conteúdo regurgitado que muitas vezes não oferece a profundidade necessária para satisfazer a consulta do usuário. 

Então, vamos supor que você está fazendo um material sobre tendências de marketing digital para 2024. 

Coloque o título do artigo no ChatGPt: 

imagem com pergunta sobre tendências de marketing digital para 2024 do Chat GPT

A ferramenta trará algumas opções: 

resposta do chat gpt

Cada uma dessas opções pode e deve se tornar um subtítulo para seu texto. E aí, refaça a pesquisa com o tema para ter uma ideia mais abrangente do que você pode abordar.

Ou seja, dentro de apenas um tópico, você tem outro mundo mais completo ainda para abordar. Entende? 

E ah, nunca esqueça: NUNCA COPIE E COLE DA IA. ENTENDA A IDEIA E DEPOIS CRIE SEU CONTEÚDO. 

Experiências pessoais: O expertise que traz a diferença

A Autenticidade é uma das formas mais rápidas de se conectar com o seu público. 

Utilize a sua experiência em primeira mão com o problema abordado no seu texto para mostrar ao leitor que você compreende o que estão passando e que possui uma solução que funciona.

Sempre use uma experiência de como você resolveu algum problema com a solução indicada. 

Por exemplo: As pessoas sempre perguntam como fazer link building e dizem que é muito difícil colocar a estratégia em ação. O que eu faço?

Pego esse problema e com base nele escrevo materiais, faço webinars e dou palestras com ideias e formas de achar uma solução viável e que faça sentido. 

Engaje sua audiência com conteúdo de verdade

Com a inteligência artificial gerando artigos a cada segundo, destaque-se criando formatos de conteúdo que exijam um toque humano.

Alguns formatos de conteúdo para investir em 2024 incluem:

  • Webinars educacionais com insights práticos.
  • Relatórios de pesquisa aprofundados que proporcionam uma compreensão mais profunda de um problema e ajudam seu público a tomar decisões melhores.
  • Publicações de resumo apresentando insights de especialistas da indústria.
  • Entrevistas em podcast com especialistas da indústria resolvendo uma variedade de problemas.
  • Estudos de caso orientados por dados.

Conclusão: A sua marca precisa ser fonte de pesquisa

Peres, Carolina

No final das contas, à medida que mais conteúdo gerado por IA é publicado, os usuários buscarão marcas e indivíduos em quem confiam para obter conteúdo útil.

Marcas que compartilham histórias reais e resolvem problemas reais atraem o público e refletem confiança e lealdade. 

Como medir esse trabalho: Algumas ferramentas como a MOZ e o SEMRush têm pontos importantes. Na Moz a métrica de autoridade pode ser analisada. No SEMRush, que eu uso, tem a métrica de visibilidade. 

Com ela, você pode ter uma ideia de como o seu site está se tornando mais visível nas buscas. 

Apenas o tempo dirá o impacto (SEO) das funcionalidades de IA voltadas para o usuário nos motores de busca. 

Muitas plataformas estão introduzindo novos recursos para manter os usuários no site, fornecendo as informações que estão procurando diretamente ali (lembra quando o snippet em destaque se tornou uma tendência?) em vez de direcioná-los para sites.

Por outro lado, os usuários sempre farão jornadas fora de uma página do Google que tem a posição zero, quando necessário. Identificar quando oferecer ao usuário uma experiência ideal e quando incentivá-los a sair será crucial.

Não trabalhe em sentido contrário à intenção do usuário. Se eles querem uma resposta rápida, dê! Não encha linguiça!

Mas se o usuário deseja dados originais, pensamentos originais, produtos ou soluções complexas, você tem oportunidades de se destacar.

Sua habilidade de escolher quando ser um aliado da IA generativa e quando ser seu oponente pode ser a chave para destacar sua marca para múltiplos propósitos e tipos de busca.

  • A IA na busca afetará o desempenho de grupos inteiros de consultas, coleta de dados e potencialmente o equilíbrio entre as plataformas.
  • O sucesso na busca pode depender de ser descoberto pela IA generativa e encontrar o máximo de oportunidades possível para destacar sua marca para os usuários.
  • Os humanos são insubstituíveis para definir estratégias de SEO em um novo cenário de IA e continuarão sendo por algum tempo.

À medida que o cenário digital evolui, os profissionais de SEO devem observar a crescente mudança do tradicional otimização de mecanismo de busca (SEO) para a otimização da experiência de busca (SXO).

Dê ao usuário uma experiência inédita! 

SEO x SXO: Sair do site e entrar no ecossistema do nicho de atuação

Tá. a sigla parece “sexo”, eu sei. Mas, leia atentamente…

Enquanto historicamente, a SXO girava em torno de aprimorar a experiência do usuário no site, agora ela inclui a otimização de conteúdo para as plataformas específicas onde seu público está presente. 

Essa evolução destaca a importância de compreender os comportamentos do usuário em plataformas como TikTok, Instagram e outras redes, ao mesmo tempo em que aprimora a experiência geral do usuário.

À medida que o Google se esforça para manter o envolvimento do usuário dentro de seu ecossistema, empresas e profissionais de SEO devem se concentrar em criar conteúdo meticulosamente projetado para todas as  plataformas de conteúdo.

 Isso é especialmente relevante à medida que o Google (e a SGE) integram cada vez mais uma mistura diversificada e dinâmica de conteúdo nos resultados de pesquisa, como evidenciado pela proeminência de entradas do TikTok, como uma ferramenta de busca, por exemplo. 

O poder da geração de conteúdo com IA

A inteligência artificial para geração de conteúdo se tornará mais relevante em 2024. 

Embora a IA possa ajudar na criação eficiente de conteúdo, profissionais de SEO e empresas devem usá-la com parcimônia. 

Para manter a autenticidade, é importante equilibrar as saídas geradas pela IA com experiências pessoais, pensamentos originais e insights únicos. 

O aproveitamento da IA pode ajudar a economizar tempo em pontos específicos durante o processo de criação de conteúdo.

Construa uma presença de marca forte…mesmo!

Construir uma presença de marca sólida é crucial em um cenário em que as páginas de resultados de pesquisa (SERPs) do Google evoluem rapidamente.

Marcas reconhecidas têm mais chances de atrair cliques e podem se sair melhor ao serem destacadas por inteligência artificial generativa.

Profissionais de SEO e empresas devem investir em iniciativas de construção de marca, colaborar com influenciadores, proporcionar experiências excepcionais ao cliente e oferecer consistentemente conteúdo valioso. 

Uma marca forte pode ajudar a mitigar o impacto das mudanças nos algoritmos e promover visibilidade e crescimento sustentados.

Essas tendências refletem a natureza em evolução do SEO, onde o foco está se deslocando de simplesmente otimizar para motores de busca para otimizar para a experiência de busca holística e preferências do usuário

Empresas que se adaptam a essas tendências provavelmente alcançarão maior sucesso em seus esforços de SEO em 2024 e além.

A Search Generative Experience (SGE) pode mudar toda a jornada de busca.

O SEO não será mais apenas sobre 10 links azuis ou um resultado qualquer no maps.

 Desenvolver “experiências de busca” pode revolucionar todo o processo de como as pessoas usam a busca para descobrir informações na internet. 

Se os usuários vão gostar? Ainda é incerto, mas isso não importará porque tudo sobre a busca está mudando.

Esses desenvolvimentos serão bons para alguns, ruins para outros, mas certamente diferentes para todos.

Em relação a isso, uma mudança na experiência de busca também pode causar uma alteração na dinâmica de participação de mercado. 

Os usuários poderiam migrar para o ChatGPT? Irão para o Bing? As coisas podem sempre evoluir.

Estas são as coisas que precisamos considerar em 2024. Ao contrário dos anos anteriores, onde você podia ver claramente a direção para a qual a busca estava indo, desta vez é diferente.

Então, neste cenário teremos:

  • A continuação do rápido crescimento e influência das tecnologias de IA, como o ChatGPT, Bing Chat e Bard. 
  • Mudança significativa nas buscas

Essas ferramentas avançadas estão transformando significativamente o cenário de SEO, e – quer gostemos ou não – estão nos levando para uma abordagem mais automatizada.

As mudanças levantam uma questão essencial: o SEO, como o conhecemos hoje, está à beira de se tornar obsoleto? 

É improvável que desapareça da noite para o dia, mas não podemos ignorar as mudanças substanciais atuais.

Grandes motores de busca como o Google (por meio da Search Generative Experience) e o Bing (por meio do Bing Chat) estão cada vez mais integrando conteúdo gerado por IA em seus resultados de busca. 

Esta é uma das transformações mais significativas que vimos em décadas.

Como profissionais de SEO, é crucial que estejamos atualizados sobre essas mudanças. Assim, podemos atualizar continuamente nossas estratégias e ferramentas para aproveitar o poder da IA. 

Devemos encontrar o equilíbrio perfeito entre utilizar a IA para eficiência e depender de nossa expertise humana para tomadas de decisão estratégicas e nuances.

O elemento humano é a bala de prata para o novo SEO

Ainda somos e sempre seremos humanos e isso a IA nunca poderá tirar da gente. 

Mas o campo do SEO está evoluindo, e talvez nem o reconheçamos nos próximos 5 ou 10 anos. 

Apesar disso, o cerne do nosso trabalho permanece o mesmo: ajudar empresas a se conectarem com seus clientes. 

As ferramentas e plataformas podem mudar, mas a necessidade de profissionais de AIOs (Otimizadores de Inteligência Artificial), profissionais de SEO, ou qualquer que seja o nome que teremos no futuro, permanecerá a mesma.

Devemos estar preparados para nos adaptar a novos métodos de SEO e encontrar maneiras inovadoras de medir nosso impacto e ajudar nossos clientes a ganharem visibilidade. 

Isso pode significar aprender como destacar o conteúdo de nossos clientes nos resultados de busca gerados por IA para que eles se destaquem nesse novo cenário.

Desafios nas atribuições dos cliques

Veremos menos cliques e menos dados sobre cliques e posições. Pelo menos é o que parece com a Search Generative Experience (SGE). 

É provável que as pessoas cliquem menos em muitas consultas.

Mudanças no rankeamento

Rastreadores de classificação tradicionalmente não renderizaram ou tiveram que esperar por resultados como terão que fazer com a SGE. 

O custo de rastreamento de classificação para a SGE provavelmente será muito mais alto.

Por outro lado, com mais atenção à aprendizagem de máquina do que nunca, 2024 será o ano em que mais automação em SEO se tornará comum. Isso facilitará a vida dos profissionais de SEO e os libertará de muitas tarefas monótonas e demoradas.

Grandes modelos de linguagem (LLMs) utilizam algoritmos avançados para simular as complexidades semânticas da expressão natural da linguagem. 

Isso pode ser útil para analistas de SEO, pois os modelos podem rapidamente analisar o tom e responder às expectativas implícitas.

Aproveitar essa tecnologia pode ajudar você a compreender a intenção de busca por trás das consultas e como criar conteúdo que ressoa com diversas audiências em um ritmo mais acelerado.

Com todo o foco em IA e nas repercussões mais recentes das atualizações do Google (helpful content), o impacto do rankeamento ganhou força.

Sabemos que a ideia de qualidade afeta todos os processos de “SEO” do Google. O Google reafirmou isso na Search Central Live em Zurique, em outubro de 2023.

Atualmente, a comunidade de SEO se concentra em “conteúdo de qualidade”, mas você também deve se concentrar na qualidade em termos de manter taxas desejadas de rastreamento e indexação. Acredito que as tendências irão se inclinar mais nessa direção em 2024.

Muitos dos sistemas do Google usam padrões de URL para fazer julgamentos sobre todas as URLs que seguem esse padrão. Dessa forma, pode preservar recursos e fazer julgamentos sem rastrear centenas ou milhares de URLs em um site grande. Isso é feito tanto para julgar qualidade quanto para o SafeSearch.

Rastreamento e indexação são componentes caros da pesquisa orgânica do Google. Essas atualizações mais “ruthless” nos últimos meses indicam coisas que estão por vir, já que o Google não precisa nem quer rastrear e armazenar cada pedaço de conteúdo na internet.

Também vimos algumas indicações de “index pruning” em 2022 na atualização principal de agosto.

A análise eficaz de arquivos de log e a compreensão do relatório de estatísticas de rastreamento do Google Search Console (GSC) serão vitais. Prepare seus clientes para isso e eduque os membros da sua equipe a respeito.

Caso contrário, as marcas podem ser pegas de surpresa por quedas de desempenho e ranking, com possíveis sinais de desaceleração no rastreamento e na indexação ocorrendo antecipadamente.

Quer dicas para melhorar a comunicação da intenção com o CHAT Gpt? Tomem! 

Detalhe a intenção de busca de uma keyword

O ChatGPT pode ajudar você a compreender o contexto e as motivações que levam os usuários a realizar pesquisas, e que tipos de conteúdo eles esperam encontrar para cada consulta. 

Entender o que você espera e responder de maneira apropriada é, afinal, o propósito inteiro da ferramenta.

Além de saber o tipo de palavra-chave (informativa, comercial, etc.), a ferramenta pode fornecer uma compreensão detalhada de como criar o melhor conteúdo para atender às necessidades dos usuários.

PROMPT:
“Quais as possibilidades de intenção de busca para  [palavra-chave]?”

Olha aqui o teste: 

print do chatgpt

Identifique palavras-chave adaptadas a uma intenção predeterminada

Se você tem uma intenção de busca específica em mente, o ChatGPT pode te ajudar a identificar palavras-chave que provavelmente serão usadas por usuários com essa intenção.

Por exemplo, se você deseja criar conteúdo direcionado a usuários que procuram serviços de criação de conteúdo acessíveis, o ChatGPT pode fornecer palavras-chave como:

  • Soluções de marketing de conteúdo acessíveis.
  • Pacotes de criação de conteúdo acessíveis.
  • Serviços de redação com preços acessíveis.
  • Opções de criação de conteúdo econômicas.
  • Estratégias de marketing de conteúdo com preço acessível.

Embora a ferramenta não realize uma análise de SERP em tempo real, ela pode oferecer ideias relevantes e pontos de partida com base na intenção que você fornece.

Você pode então levar essas ideias para a sua ferramenta de palavras-chave preferida e avaliar quais deseja seguir.

PROMPT:
“Crie uma lista de 05 palavras-chave que visam usuários que estão procurando [intenção de busca].”

Vejam:

Analise o tom de conteúdo de acordo com o público

Se você está escrevendo um post para blog destinado a proprietários de pequenas empresas, pode ser mais apropriado utilizar um tom mais informal do que se estivesse redigindo um para empresas de grande porte.

Para usar o ChatGPT na análise de tom, basta fornecer uma amostra do seu conteúdo e pedir para identificar o tom.

Em seguida, você pode solicitar feedback sobre o tom da sua escrita, bem como sugestões sobre como aprimorá-lo.

PROMPT:

 “Considere este conteúdo: |inserir trecho do conteúdo|.

Primeiro, identifique o tom de voz.
Estou escrevendo para a seguinte audiência:  [insira detalhes do seu público]. 

O tom está correto?: [insira o conteúdo].”

E a resposta: 

E dá para ir além: 

Mude o tom de voz de conteúdos existentes

Se você tem conteúdo existente que deseja alterar o tom, o ChatGPT também pode ajudar nisso.

Basta fornecer ao ChatGPT o conteúdo e especificar o tom de voz desejado. O ChatGPT gerará então uma nova versão do conteúdo com o tom atualizado.

PROMPT

“Por favor, me diga como posso adaptar o tom deste texto para ressoar melhor com [inserir descrição do público-alvo].

[inserir texto].”

Você pode seguir com:

“Por favor, faça alterações no texto acima para se alinhar melhor com [público-alvo ou notas sobre o tom].”

Forneça  limitações ou notas do guia de estilo para auxiliar o modelo. Ver problemas à frente traz apreensão, mas também é um presente.

As pessoas ainda precisam encontrar coisas, e, na opinião deste editor, o ímpeto por trás de como as pessoas buscaram informações desde que os motores de busca apareceram pela primeira vez não é facilmente redirecionado.

Algumas consultas, nunca tiveram cliques. Segundo o Google, 15% do que é buscado diariamente, nunca existiu antes. É aqui que as experiências de pesquisa em plataforma terão o impacto mais significativo. 

Lembre-se: Não é na empolgação onde você encontrará uma estratégia sólida. É na compreensão do seu público e como suas jornadas se manifestam.

  • Entender a verdadeira intenção do usuário deve orientá-lo – spam e resultados fracos estão morrendo.
  • Não se esqueça do SEO técnico – manter um site organizado também pode ajudar a protegê-lo de atualizações centrais impiedosas.
  • Use a IA estrategicamente para dar a si mesmo mais tempo para pensar em questões mais amplas.

Use a força da IA para melhores resultados e melhore os locais onde ela ainda tem fraquezas

O ano de 2023 revolucionou a IA, e é evidente que o papel da IA no SEO está se tornando mais central do que nunca.

A crescente influência da IA em experiências de busca personalizadas está programada para aprimorar a compreensão da intenção do usuário, contexto e a capacidade de analisar históricos de buscas anteriores. 

Esse avanço permitirá que os motores de busca interpretem as nuances nas consultas de busca e o comportamento do usuário com mais precisão.

Consequentemente, as estratégias de SEO precisarão se tornar mais direcionadas, aproveitando ferramentas de IA 

No entanto, equilibrar essa eficiência com um compromisso com precisão e padrões éticos é crucial. 

Experiência de usuário e velocidade

O Google é eficiente em entender a intenção do usuário porque acessa informações extensas, permitindo que produza resultados de pesquisa excepcionalmente rápidos e relevantes.

No entanto, a geração rápida de SERP torna-se menos eficaz se os sites forem lentos, pois os usuários provavelmente abandonarão páginas que carregam lentamente.

Portanto, o SEO técnico será ainda mais importante para classificar e reter usuários. 

A introdução pelo Google da nova métrica Core Web Vitals (CWV) – Interactivity to Next Paint (INP), que substituirá o First Input Delay (FID) em março de 2024, confirma isso.

  • O SEO não vai a lugar algum
  • Ainda não é hora de dar adeus ao SEO!! 
  • O surgimento da IA não sinaliza o fim do SEO, mas uma mudança em suas estratégias e práticas. 

Todo mundo acha que o SEO vai morrer. Isso aconteceu várias vezes quando o Google introduziu recursos de SERP como snippets em destaque, caixas “Pessoas também perguntam” (PAA), etc.

Essa mudança requer uma compreensão mais profunda e matizada da intenção do usuário e de como os motores de busca funcionam.

Haverá uma maior automação de tarefas-chave de SEO graças à IA/chatbots/buscas generativas. 

Desde a vinculação interna até a implementação de dados estruturados, algumas execuções de SEO que, de outra forma, consumiram recursos significativos serão facilitadas ainda mais devido à automação mais poderosa.

Invista em conteúdo que atrai… sem marmota

Depois do boom da IA, especialistas precisam investir em conteúdo realmente efetivos que tragam opiniões de especialistas e diferenciais

Uma estratégia baseada em conteúdo de especialistas também pode minimizar as chances de ser impactado por atualizações de qualidade do Google.

A mudança de comportamento no clique exige conteúdos diferentes

O lançamento do Search Generative Experience (SGE) do Google pode alterar o comportamento de clique dos usuários nos resultados de pesquisa. 

Por exemplo, em vez de clicar em análises, artigos ou páginas de destino de produtos, eles podem ir diretamente para as páginas de descrição do produto por meio de instantâneos do SGE.

Pode ser necessário começar a diversificar e alterar o tipo de conteúdo no qual investimos para maximizar nossa visibilidade e aprimorar a experiência do usuário ao longo da jornada de pesquisa.

Cookies no Chrome

Além de considerar o impacto nos relatórios (para demonstrar o valor do SEO) para o negócio em geral, com o Chrome caminhando para a “depreciação” de cookies, precisamos ter cuidado ao explicar isso a nossos clientes. Cabe a você ajudar a entender este impacto. Explico:

Embora isso não seja apenas sobre SEO, não faz sentido direcionar usuários da pesquisa orgânica para um site se ele não funcionar ou se comportar como esperado, e os usuários não convertem.

A partir do primeiro trimestre de 2024, isso será testado em 1% dos usuários do Chrome, com implementação completa prevista antes do final do ano. Teste sites e destaque problemas para os clientes agora, e mantenha isso em seu radar em 2024.

Além disso, ajude seus clientes a configurar análises para relatar (e mostrar valor) aos seus stakeholders.

À medida que a IA generativa se desenvolve, os motores de busca tendem para algo que se comporta como um computador Star Trek, dando respostas sob demanda. Muitos terão dificuldade em aceitar que o usuário nunca quis um site para algumas pesquisas – eles apenas queriam uma resposta.

Respostas sob demanda podem prejudicar sites de afiliados ou de nicho, mas muitas pessoas ainda buscarão solucionar problemas, encontrar produtos, obter conselhos e geralmente “fazer algo”.

Os profissionais de marketing continuarão trabalhando para influenciar as novas “experiências de busca”, assim como trabalhamos para influenciar os resultados de pesquisa. Podemos tentar chamá-lo de algo diferente de SEO, mas ainda será SEO em sua essência.

Continuaremos nos afastando de algumas de nossas métricas antigas e tratando o SEO mais como marketing tradicional. 

2024 será o ano em que toda a indústria dará mais um passo à frente. Os profissionais de SEO familiarizados com codificação, IA, Recuperação de Informações e marketing tradicional continuarão evoluindo.

Além da adoção de IA pelos motores de busca, ferramentas de IA como o ChatGPT tornaram-se disponíveis para o público em geral. Você vê informações mistas sobre o impacto futuro na pesquisa.

Essas mudanças aceleradas criarão uma grande divisão entre os sites concorrentes, dependendo de quão bem as equipes conseguem acompanhar as mudanças e usá-las a seu favor.

Em 2024, recomendo que você mantenha os seguintes pontos em mente para fazer crescer o seu negócio:

  • Não reaja de forma exagerada a qualquer mudança, especialmente com base em informações incorretas ou opiniões de uma única pessoa. 
  • Leia o que os motores de busca e fontes confiáveis da indústria dizem, e não se concentre em cada comentário e boato nas redes sociais.
  • Aloque um orçamento suficiente para a educação da equipe de SEO por meio de seminários/webinars, conferências e cursos de certificação. 
  • Compartilhar conhecimento com programas de treinamento interno para equipes internas ou clientes também é uma prática excelente.

É essencial saber como os resultados da pesquisa aparecem para seu público-alvo, especialmente agora que os motores de busca estão alterando o layout e o conteúdo da página de resultados com mais frequência.

Verifique os resultados da pesquisa com consultas altamente relevantes para o seu negócio para ver como as mudanças impactam os resultados.

 Os dados analíticos informam o desempenho do site, mas observar os resultados da pesquisa também revela muito sobre por que as pessoas clicam ou não em links.

Compreender como esses sistemas coletam e apresentam informações permitirá que você ajuste as atividades para responder a essas mudanças conforme elas acontecem.

Aproveite as Novas Tecnologias

Faça uma auditoria interna em tarefas que levam muito tempo e poderiam se beneficiar da automação.

Por exemplo, você pode usar ferramentas de IA, incluindo serviços de software e ChatGPT com IA, para ajudá-lo a verificar irregularidades em seu banco de dados de comércio eletrônico que alimenta o site. Ou, você poderia auditar seu site em busca de conteúdo duplicado e semelhante.

Essas ferramentas também podem ajudar a reduzir parte do seu trabalho de codificação e marcação, reduzindo imediatamente sua carga de trabalho manual.

É bom ver que algumas agências já estão criando ferramentas com tecnologia de IA e oferecendo-as aos clientes. 

Mantenha o foco

As agências têm duas prioridades: seus clientes e seu resultado final. Incorpore as ferramentas de IA para tornar o trabalho de SEO e os processos relacionados mais eficientes. Utilizar a IA deve reduzir seus custos operacionais, ao mesmo tempo em que ajuda a obter mais sucesso para os clientes.

A melhor maneira de obter a aceitação dos clientes é trabalhar em estreita colaboração com eles, educando-os. Ganhando a confiança deles e mostrando que você entendeu e se adaptou a essas mudanças será a chave para conquistar e manter os negócios.

O SEO está em constante evolução, e 2024 provavelmente mudará ainda mais a forma como pensamos sobre isso.

Concentre-se no que já existe

Melhore as palavras-chave que já estão classificadas, em vez de ir atrás do novo.

Muitas vezes, os sites já têm uma mina de oportunidades em palavras-chave classificadas na segunda ou terceira página. 

Mesmo se você estiver na primeira página, subir apenas uma posição pode impulsionar seu tráfego, pois a taxa de cliques é muito maior nos primeiros lugares.

Realize Pesquisa de Palavras-Chave com Foco na Intenção. A intenção e a relevância são fundamentais ao pesquisar novas palavras-chave.

Pode ser útil priorizar palavras-chave transacionais e comerciais em relação às informativas muito genéricas. 

E certifique-se de que as palavras-chave estejam realmente relacionadas aos seus produtos, serviços e soluções principais.

Às vezes, nos distraímos com palavras-chave de alto volume que não converte ou geram receita.

E, não esqueça dessas tendências em SEO para 2024

CRIE ATIVOS LINKÁVEIS

Criar ativos linkáveis é crucial para o sucesso a longo prazo em SEO. Procure maneiras de tornar seu conteúdo um atrativo importante de links por meio de pesquisas únicas, testes de produtos, compilação de estudos de dados, etc.

Links de Autoridade e qualidade permanecem entre os fatores de classificação mais decisivos, portanto, crie conteúdo que as pessoas naturalmente queiram referenciar e vincular.

Aproveite as tendências de forma estratégica

Mantenha-se atualizado sobre as tendências e aproveite oportunidades oportunas quando fizerem sentido. 

Por exemplo, publicar conteúdo perene sobre um tópico em alta pode permitir que você se posicione antes que a concorrência perceba.

Chegou o fim do Link Building? 

O processamento de linguagem natural, redes neurais e IA significam que o Google não precisa depender tanto de links para identificar a relevância do conteúdo.

Em 2024, ficará mais evidente que os links têm menos importância. A maioria das pessoas já aceitou essa realidade.

Pessoas relativamente novas no SEO podem não estar cientes de que táticas de links spam, como comprar domínios expirados, existem há 20 anos, e o Google tem controle sobre isso há muito tempo.

No entanto, algumas pessoas tendem a acreditar no que pensam ver e ignoram evidências que não se conformam a essas crenças. 

A construção de links não está morta. Mas acredito que muitas pessoas perceberão que certas táticas não funcionam mais.

Construa um conteúdo que você se apaixone

Crie conteúdo sobre o qual você tenha uma paixão genuína. Isso torna o processo muito mais fácil a longo prazo. E tenha uma visão de longo prazo – construa seu site como uma marca, não apenas uma fonte de renda rápida.

O sucesso em SEO exige conhecimento, experiência e o estabelecimento de confiança – e isso leva tempo para ser construído.

Foque na qualidade

À medida que os algoritmos do Google avançam, eles serão capazes de detectar melhor um conteúdo genuíno e útil. Produza conteúdo que ofereça valor real para os usuários.

Dados estruturados? SIm, sim

Dados estruturados, como a marcação de esquema (schema markup), ajudam os motores de busca a compreender melhor o seu conteúdo, especialmente para avaliações, FAQs, receitas, eventos, etc. 

Isso pode aprimorar a indexação e o potencial de snippets enriquecidos.

Construa uma marca de valor real

Torne-se uma fonte confiável para a qual os usuários retornam como sua principal fonte de informação. Ofereça valor consistente, interaja com seu público e estabeleça liderança de pensamento.

Aproveite o valor do vídeo

Conteúdo em vídeo e transmissões ao vivo terão mais influência em 2024. 

O YouTube continua dominando as buscas, e plataformas de vídeo ao vivo como o TikTok estão alterando o poder dessa descoberta. Crie conteúdo em vídeo, envolva seu público.

ATENÇÃO A IA

À medida que chatbots como o ChatGPT evoluem, eles podem alterar comportamentos de busca e criação de conteúdo. 

Compreenda como os usuários interagem com a IA para atender às suas necessidades.

 Invista em conteúdo de alta qualidade centrado no usuário e branding será benéfico do ponto de vista de SEO nos próximos anos. Mantenha-se ágil e aberto a novas tendências de busca!

Entidades no Discover

O conteúdo relacionado à entidade (Marca)  ganha destaque, frequentemente aparecendo no topo ou perto do topo do Discover.

O Discover já é uma força dominante em dispositivos móveis.

Além disso, está passando por testes na página inicial do Google para desktop. Uma única colocação no Discover pode superar o tráfego da SERP tradicional.

Isso destaca a importância crítica da otimização de entidades, que é como você pode estabelecer sua marca no Google Knowledge Graph e se tornar elegível para o acompanhamento de entidades.

Para explorar o futuro do acompanhamento, dê uma espiada ativando as próximas funcionalidades de seguimento e alterações na Página de Nova Guia (NTP) no Google Chrome flags.

O acompanhamento de entidades surgirá como um sinal de E-E-A-T à nível de marca em 2024. Desde 2011, o Google tem incentivado organizações a adotar o Schema Markup (também conhecido como dados estruturados) para ajudar os mecanismos de busca a entender melhor o conteúdo do site. Isso também permite que você se qualifique para resultados ricos e se destaque nas pesquisas.

Ao longo dos anos, as organizações têm utilizado com sucesso o Schema Markup para obter resultados ricos para produtos, avaliações, FAQs, tutoriais, vídeos e mais, resultando em taxas de cliques (CTRs) mais altas e tráfego mais qualificado e envolvido para seus sites.

E aí, gostou? Agora, é hora de esperar 2024 acontecer!

Esse conteúdo foi todo feito com ajuda do ChatGPT

Baseado na publicação das tendências de SEO para 2024 do Search Engine Journal

Post Tags :

Share :

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *